sexta-feira, 11 de maio de 2018

MÃE!




"Há um instinto na mulher de amar seu filho mais que tudo -
e um instinto de tornar qualquer filho que precise de seu amor, seu próprio filho."
Robert Brault
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo








"Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar."

Paulo Freire









MÃE!!!!


“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se quero dizer-te é que te amo? (Fernando Pessoa).









MÃE...

Se aproxima o dia especial dedicado as mães... Lembrar é preciso ...de que ser Mãe é todo dia, o dia todo, constituído de alegrias e de tristezas...
Eu gostaria de prestar homenagem as mães do mundo inteiro...quem sabe distribuindo flores...mas escrevo...
Esta homenagem foi pensada em especial para MARIA mãe de DEUS, a escolhida... pelo mesmo amor, também nos foi doada. Agradecer a minha MÃE biológica que em sua humanidade se espelhou em MARIA... Neodêmia, foi quem me gerou, gerando na sua caminhada variadas formas de amar. Etimologicamente, o termo “amor” surgiu do latim “amor”, palavra que tem justamente o mesmo significado até hoje: sentimento de afeição, paixão e grande desejo. Entre tantas lições que a vida apresenta, requer que tornemo-nos humanos... Desta complexidade do que é ser Mãe, ela nos induz a estranheza do verbo AMAR...significados dos mais variados possíveis e impossíveis. Pude constatar e elencar alguns itens retirados de uma simples lista do dicionário, de como ainda não sabemos conjugar, ou melhor, comungar este amor.

1. Sentimento que induz a aproximar, a proteger ou a conservar a pessoa pela qual se sente afeição ou atração; grande afeição ou afinidade forte por outra pessoa.
2. Ser que é amado.
3. Disposição dos afetos para querer ou fazer o bem a algo ou alguém.
4. Ligação intensa de caráter filosófico, religioso ou transcendente.
5. Grande dedicação ou cuidado.
6. Ter amor a: dar importância a.

Qualquer um dos mortais, pode experimentar...essa forma de amor já foi estudada, falada, dita, abordada. Mas gosto muito da linguagem dos poetas, cito Paulo em Coríntios... lições de minha mãe “...que até hoje tento relativizar ...conectar com esse amor genuíno do que é o AMOR, AMAR. Diz que: “Sem amor não sou nada...” 

O poema sobre o amor

É no capítulo 13 da epístola que Paulo fala grandiosamente sobre o amor (em grego ágape) que, em algumas traduções, aparece com o vocábulo caridade:

"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse Amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse Amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse Amor, nada disso me aproveitaria. A Caridade é sofredora é benigna; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo Sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor nunca falha. Havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o Amor.”
 (https://pt.wikipedia.org/wiki/Primeira_Ep%C3%ADstola_aos_Cor%C3%ADntios

Poderia perguntar para todas as MÃES: como é ser mãe? Por que escolheu ser Mãe? 

Com certeza, cada uma daria suas respostas a medida de suas experiências. Neste contato do aprender a ser ...das mães biológicas...das mães adotivas...das mães escolhidas, das mães amadas, das mães renegadas, das mães rejeitadas, das mães sofridas, das mães gloriosas, das mães esquecidas, das jovens mães, das joviais mães, das idosas mães, das mães que esperam a chegada de seus filhos, das mães que já partiram desta vida. Das mães confundidas e dos filhos que estamos nos construindo... Em meu caso particular, mãe sem ser mãe...muitas vezes tive que ser mãe dos meus irmãos, dos meus sobrinhos, dos meus pais, dos meus milhares de alunos (em cada tempo e espaço, eu e as crianças, conversamos sobre nossas impressões...simbolicamente transferimos emoções e concepções nesse processo que é viver. Olhar, ver, cuidar, brincar, conversar, escutar, gargalhar, respeitar e amar...entre concordar e discordar, entre acolher, brigar, gritar, chorar,calar, falar, entre um sim e um não) no todo dia. Bem que poderia ter registrados todos os momentos...hahah...mimo para mim e mimo para eles...muito bom... aprender a aprender... a se reconhecer...ser reconhecido por quem nos ama...

Outro dia ouvi um depoimento maravilhoso...falava das dificuldades nos dias de hoje que temos em relação aos filhos e aos pais (falta de amor). O por que respeitávamos nossos pais e hoje não conseguimos?... muito simples, foi dito; embora muitos acreditassem que se respeitava por medo...na verdade o sentimento era outro...continuou... respeitávamos por AMOR...Não queríamos perder nossos PAIS, MÃES, AVÓS, PROFESSORES E AMORES...então corríamos para fazer tudo que os deixassem felizes... Não que não tivéssemos os sentimentos antagônicos, próprios do humano de nós....Mas erámos gerados para a tal felicidade...Hoje com “a era das eras”... não queremos ser escolhidos...tão somente escolher...e diriam muitos sobre mim ...como ela é boazinha...da era dos sonhadores...e por isso mesmo, digo graças a Deus...Sou grata a minha mãe e ao meu Pai ( in memoriam)...que entre suas dificuldades, optaram pelo AMOR...
Amar requer escolhas, caminhos .... Parabéns mães! Mães dos meus amores...filhos e filhos...são meus alunos...
Declamo o meu amor pedindo ajuda ao poeta...Mário Quintana...




                                                                                                                           Elisabete Helena Cavalcante Lima.
                                                                                                                           Fortaleza, 6 de maio de 2018.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

MÃE...Todas as mães amam...

...Resgatando tempo e espaço...o texto era rascunho ...onde...caminhar,conectar, pesquisar, filosofar, estudar...se encontrar...amar e amar.

– Há dois tipos de pessoas no mundo. As que vivem em estado de egoísmo e as que vivem em estado de amor.
Faz muito tempo que eu escutei essa ponderação de uma pessoa muito amorosa, inteligente e uma pianista excepcional: a professora Adelaide Moritz, minha mestra na música e na vida. Nunca me esqueci de sua análise por dois motivos: porque ao colocar “estado de” antes dos substantivos egoísmo e amor, ela criou uma nova classificação da condição humana; e porque ela qualificou o egoísmo como o antônimo de amor, e não o ódio, como seria de esperar.
Ela fez isso porque não se referia ao amor em si, e sim à condição de amar como um jeito de ser. É quase uma filosofia viver em estado de amor, o mesmo que estar conectado com o mundo por um cordão de luz, que ilumina as relações e as torna sempre agradáveis, independentemente de serem afetivas, familiares ou profissionais.

Por outro lado, viver em estado de egoísmo seria o mesmo que criar um cordão de isolamento que afasta as pessoas e condena seu “usuário” a uma vida pobre de espírito e curta de esperança. Viver em egoísmo significa querer só para si, não compartilhar, desconsiderar as necessidades e os sentimentos alheios. Ser um habitante do estado de egoísmo é o mesmo que declarar guerra ao mundo, usando como armas as palavras duras, a desconfiança permanente, o desrespeito latente.
Todos conhecemos pessoas dos dois tipos, mas vou falar aqui do primeiro jeito de ser, claro. Das pessoas que, por índole e por opção, vivem em amorosidade, o que não significa que não possam ser duras se isso for necessário para reinstalar a ordem no mundo ao seu redor. Lembro que a professora Adelaide era amada por seus alunos até quando, exigente, mostrava que não estava satisfeita com o desempenho deles. Pessoas amorosas são assim, são amadas porque são amorosas e são amorosas porque não têm medo de ser amadas. Há quem diga que amar é fácil e que ser amado é difícil. Os verdadeiramente amorosos deixam aberto o caminho nos dois sentidos.
Mas é importante esclarecer que ser digno de amor não é ser bonzinho, certinho, modesto e gentil para fazer amigos e influenciar pessoas. Isso é ser polido, amável. “A polidez é um simulacro da moral”, afirma o filósofo André Comte-Sponville, que se deu ao trabalho de escrever o Pequeno Tratado das Grandes Virtudes.
Ele afirma que agir de modo amável não é ser amoroso, mas é um bom começo. A esperança é que da polidez surja o nobre sentimento, mas nada é certo. Ao preencher o amor que lhe falta, por hábito ou por educação, a moralidade pode virar amorosidade, seu estado mais alto. Ao atingir esse auge, as virtudes se dissolvem e viram uma só, passando a ser praticadas sem artifício, ao natural, com amor verdadeiro.
Segundo essa visão, viver em estado de amor pode ser uma opção, algo que pode ser desenvolvido conscientemente, uma atitude que começa na mente e acaba instalando no coração um novo jeito de ser. E o mundo agradece por isso.
A amorosidade seria uma das manifestações da capacidade humana de amar?Amorosidade não é amor, é um hábito de quem é capaz de amar. Mas, para isso, é necessário viver o amor em si, o que dá mais trabalho do que parece, pois há mais de um tipo de amor, e só seremos completos quando visitarmos a todos. Para melhor entendimento, sempre podemos beber da fonte segura do mundo grego antigo, simples e coerente, e reduzir a essência do amor a três tons primários: Eros, Philia e Ágape.
O mais primitivo tipo de amor seria erótico. Egoísta, incompleto, é uma espécie de desejo pela falta. A palavra vem de Eros, deus do amor, fruto da união de Pênia, a penúria, com Poros, o faustoso. Filho pobre, sujo, sem sapato, sem teto e sempre faminto, herda do pai a atração pelo belo e pelo bom; é sagaz, caçador, e está sempre a maquinar planos e a desejar mais e mais.
Eros nasceu de um golpe de Pênia, dado enquanto Poros dormia embriagado após a festa de nascimento da deusa Afrodite. A deusa da penúria quis aliviar sua condição miserável tendo um filho com o senhor da riqueza, e assim concebeu Eros. Desde cedo ele viveu sob intensa atração pelo belo, mas oscilando entre os extremos, pois era pobre porque não possuía nada e era rico porque guardava recursos potenciais para gerar novas vidas. Eros quer sempre mais, cobiça sair de si mesmo, corre sempre atrás do saber, da beleza, da fertilidade. É angustiado e insaciável.
Sendo a forma mais embusteira dentre todos os amores, o amor erótico geralmente consuma-se pelo contato sexual. “Na verdade, o amor delas (pessoas apaixonadas) é um egoísmo a dois; elas são duas pessoas que se identificam uma com a outra e resolvem o problema do estado de separação pelo encontro erótico”, diz o psicanalista Erich Fromm. Amor sedento que busca embriagar-se mesmo quando já saciado, ele é feito ausência cheia de vácuo; está sempre à espreita de alguma completude inacabada, vazia. Assim é Eros.
Apesar de necessário e próprio de nossa condição de humanos incompletos, Eros não representa a amorosidade, apesar de poder ser parte dela como gerador de vida. Esse estado começa – sim, apenas começa – a se manifestar através do segundo modelo, o amor Philia, que é fraternal, companheiro. Menos estimulado pela posse, esse tipo de sentimento cristaliza- se pela amizade, e seu prazer deriva do simples ato de estar junto, de compartilhar momentos. Philia se alimenta da conversa, do cuidado, da alegria, do compartilhamento. É generoso, mas tem lá seu lado egoísta, apesar de se manifestar como altruísta, uma vez que se coloca sempre a serviço do outro. Seu egoísmo deriva do fato de que ao servir ao amigo sente prazer, por isso serve.
De Philia surgiram nomes como filosofia, que significa o amor à sabedoria, ao conhecimento. E em zoologia, o estudo dos animais, usa-se a palavra filo para designar grandes grupos de espécies que têm afinidades entre si. Nós, humanos, por exemplo, pertencemos ao filo dos vertebrados, porque, assim como os peixes, as aves, os répteis e os outros mamíferos, temos uma coluna vertebral. Pois é, até a ciência foi buscar inspiração nos mitos gregos para explicar suas conclusões.
Bem acima dessas coisas mundanas, como erotismo e amizade, encontramos o amor Ágape, que eleva o amor a um estado divino, imaculado. Na verdade, ele vai além do amor, é universal, sem predileção nem eleição, é inteiramente desinteressado. Não é paixão nem amizade, mas divino, criador. É ele que dá valor ao que não tem nenhum valor em si mesmo. Ele não precifica capacidades, concede-as. É a aceitação invariável do outro, seja ele quem for, amigo, inimigo ou indiferente.
Quem vive em estado de amor e tem amorosidade como filosofia experimenta o amor Ágape todos os dias. Esse é um tema que não escapou aos filósofos. “Na essência, todos os seres humanos são idênticos. Na verdade, somos todos parte do Um”, conclui Erich Fromm, para explicar a amorosidade. “Ser amado precede a graça de amar e prepara o estado de amor”, pensa Comte para explicar a origem de tudo.
Platão, em O Banquete, põe à mesa duas soluções para explicar a amorosidade: como não podemos fugir de nossa incompletude, temos que direcionar nosso amor para outros corpos e gerar filhos. Ou então expressá- lo por meio da arte, política, poética, ciências, filosofias ou o que for, sempre dando prioridade ao belo. “Seguir o amor sem nele se perder, obedecer a ele sem nele se encerrar é transpor umas depois das outras as gradações do amor: amar primeiro um só corpo, por sua beleza, depois todos os corpos belos, depois a beleza que lhes é comum, depois a beleza das almas, que é superior à dos corpos, depois a beleza que está nas ações e nas leis, depois a beleza que está nas ciências, enfim, a beleza absoluta, eterna, sobrenatural, a do Belo em si, que existe em si mesmo, de todas as belas coisas que participam, de que procedem e recebem sua beleza...”
Então ser amoroso é ter capacidade de amar pelo amor em si, sem interesse, sem posse, assim como uma mãe ama seu filho?A amorosidade está presente nas relações familiares, mas extrapola esse limite e transborda para o mundo humano melhorando as relações. Entre os membros da família, notadamente entre a mãe e o filho, a amorosidade ganha profundos contornos de Ágape, mas muitas vezes se perde nesse caminho, pois Ágape pressupõe a não-posse, e esse é um sentimento que a mãe tem que se esforçar muito para não desenvolver.
Todas as mães amam, mas há mães amorosas e mães possessivas. A amorosa sabe que seu filho nasceu dela, mas não lhe pertence de verdade. Prepara o filho para a vida e prepara-se pela deixá-lo partir e viver sua condição de indivíduo, com suas virtudes e defeitos, conhecendo conquistas e riscos. A mãe possessiva é egoísta e controladora. Ela exige amor e entrega porque ama e se entrega. Mas amorosidade não é isso, não é moeda de troca nem objeto a ser compartilhado. O amoroso, ao contrário, é libertário, não retém, não exige, não controla.
Amorosidade é uma condição humana elevada, aproxima as pessoas do conjunto de virtudes, pois nela estão incluídos o cuidado, o respeito, a confiança. A amorosidade é bela, boa e verdadeira. Se Eros, Philia e Ágape são deuses que personificam o amor, a amorosidade é a qualidade que eleva os humanos à condição de deuses. E o amor da mãe é o começo desse treino para sermos divindades, pois é o primeiro, o maior, o mais puro e completo. Só não pode ser egoísta, pois assim perderia a qualidade de produzir amorosidade, uma vez que nesta encontramos também a liberdade, valor maior e insubstituível.
Assim, concluímos, se amorosidade não é amor, é por ele fertilizada e, ao fazer isso, gera uma sublime possibilidade humana: a de construir a paz, essa insubstituível condição para a felicidade.

sábado, 11 de maio de 2013

MÃE!!!!



Pensando em dia das mães...como trabalhar esse tema com as crianças...se mãe é...tudo para elas...
E nada como declamar o poema do grande Mario Quintana...que tão bem soube usar a palavrinha mágica...


MÃE
Mãe... São três letras apenas

As desse nome bendito:
Também o Céu tem três letras...
E nelas cabe o infinito.

Para louvar nossa mãe,
Todo o bem que se disse
Nunca há de ser tão grande
Como o bem que ela nos quer...

Palavra tão pequenina,
Bem sabem os lábios meus
Que és do tamanho do Céu
E apenas menor que Deus!

Mãe (Mário Quintana)

E como  diria nosso mestre Paulo Freire " A leitura do mundo precede a leitura da palavra."
Conversamos sobre ser criança, ser mãe...falamos de gostos e sabores...As crianças ficaram felizes... e surgiram ideias...
Trabalhando nomes...as crianças puderam mostrar suas marcas...aprender o significado do simples e de poder contribuir... produziram cartões, recadinhos e as toalhinhas viraram flores... surpresas...muitas emoções... Muitas flores, muitas cores...aprendemos...a cultivar amores e distribuir flores...




E que todas as mães possam valer desse grande amor...
Que as crianças possam sentir o elo que impulsiona a vida...de um amor incondicional...
de mãe para com seus filhos...que é para sempre...

Como é grande o meu amor você... MÃE!!!!!



sábado, 30 de março de 2013

PÁSCOA!!! CELEBRAR, VIDA NOVA!!!!



 

"Tempo de Páscoa" sempre pensamos, falamos e prometemos...Tempo de reflexão, de transformação...
A história nos conta momentos marcantes para a humanidade... e a exemplo, figura a imagem de um Deus feito Homem, e um Homem que por ser Deus, nos promete uma vida eterna... Nesse tempo de esperança, somos convidados a mudar em nossas fraquezas terrestres e quem sabe transformar nossa mundana forma de pensar e ser...Nem sempre é fácil...mas com certeza é momento para um bom exercício...É chegada a semana que chamamos Santa... para nós Cristãos, um momento singular...
Então como pensar em contar essa história para os pequeninos. Tanto as crianças, como nós, sempre mergulhados em mundo de informações...
Ganhei um presente da Queivilane Lima ( mestra  e amiga de longas datas, na arte de encantar...) que ao postar no facebook... não canso de me emocionar...
Resolvi passar para os alunos este maravilhoso vídeo...
conta "A História da Páscoa",
 uma bela tradução...
Encenada por crianças para crianças...emocionante.

UM PRESENTE PARA TODOS NÓS!!!!


-Algumas crianças relataram suas emoções, sentimentos...



Conversamos sobre o sentido da Páscoa, os símbolos e suas representações... A industrialização e comercialização dos produtos...Quem ganha com esse mercado...podem crer...as crianças sabem das coisas...assunto de gente grande...mas... dos pequeninos também...
E tudo vira distração, das leitura de: músicas, histórias e brincadeiras de todos nós...


-As crianças brincaram de coelhinho sai da toca, na dinâmica o jogo da psicomotricidade 
traz  a emoção na alegria de aprender através do seu corpo em movimento. 




- Eu também não poderia deixar de contar a historinha... trabalhando muitos valores...

 MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA





Narração do livro de Ana Maria Machado, com ilustrações de Claudius, pelos alunos do Projeto Comunicar e Aprender, da EMEF Raimundo Correia.





ANO NOVO...ANO BOM...





Iniciamos nosso ano letivo escolar  no mês de  março, graças a Deus!!!! Os primeiros dias ...acolhimento...chegam as crianças... Entre tantas alegrias que elas nos trazem... mais emoção, curiosidade e espontaneidade...nos enchem de expectativas...que venha este ano bom!!!!

 Fui contemplada para acompanhar as salas dos primeiros anos, turminha com crianças de seis anos de idade, período em que devem ser alfabetizadas... Numa emocionante viagem de aprender a aprender...eu que há dois anos estava afastada da sala, retorno para este edificante exercício...aprender a aprender...entre lecionar e sentar aos bancos...para pesquisar  e me transformar...  aventuraremos... em conhecer e ler este mundo... que não para de girar... na alegria de quem brota e sabe imaginar... as crianças.








...ano bom..

Imagens
http://www.magiagifs.com.br/voltaasaulas/voltaasaulaspage01.htm







quinta-feira, 14 de março de 2013

Belezas do Ceará...

Estive por alguns dias de recesso escolar... pude multiplicar horas, rebuscar o tempo e a história... refletir e curtir sobre escolhas e seguir caminhos, sem me ofuscar de que a vida é contradição, "Trajando o linho sideral, que ofusca a estrela da manhã" (Laudelino Freire).... desistir, abdicar, optar, mudar, escolher, encontrar, seguir...são caminhos... 

"Uma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que o seu caminho é o único. Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e renúncia... " 
(Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei) - Paulo Coelho.
 ...

Então resolvemos seguir caminhos ... trilhados... foi pra lá que seguimos viagem... Aproveitando o caminhar ...contemplando o caminho...das

Terras nossas...

Lembro das cidades de Quixadá e Baturité, terra natal da minha mãe e do meu pai, respectivamente... E de tanto ouvirmos de suas belezas e encantos...ainda meninos, íamos visitar...não tinha como não se apaixonar...e as marcas deixadas em suas lembranças, permaneceram como sendo nossas...heranças com certeza, deles e daqueles lugares...nem se pode imaginar...Dos tempos que se passaram...anos...mas ao retornarmos, não tem como não se emocionar das belezas do lugar...a natureza da vida, da vista e das pessoas do lugar...pois posso apresentar...como é lindo o lugar...Subir na serra...ou ficar no pé da serra...não dá pra imaginar...tem hora do frio, tem hora do quente...no tempo ou no tempero da gente...animando nossos passos onde possam nos levar...lembro de toda a família ...das histórias da gente...das histórias do lugar...Pode ser em Quixadá da madre, ou em Baturité do papi...são amores, são histórias...pra qualquer um se apaixonar...(Elisabete Lima)
Fotos: via internet


"Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça."( Cora Coralina)

FAZENDO COM AMOR!!!!!!

FAZENDO COM AMOR!!!!!!

EDUCAR E BRINCAR...

PROJETO RESGATE DA PSICOMOTRICIDADE ATRAVÉS DOS RECURSOS NATURAIS.

TRAILERS - SLIDES - •Documentários, Entrevistas

EDUCAÇÃO - AMBIENTE - DESENVOLVIMENTO - POLÍTICA - ATITUDE - CULTURA 

NOSSOS MESTRES NA LITERATURA INFANTOJUVENIL

A voz do autor no rádio...

Falar e ouvir... uma questão pessoal...

Um pouco de sua história...

Conversando com autores...

Tatiana Belinky, a escritora que queria ser Emília...

Histórias que nos acompanham...

PAI DA TURMA DA MÔNICA...

Uma contadora especial...

Histórias para ouvir e contar... O clássico mundial A Árvore Generosa.

A ARTE DE CONTAR HITÓRIAS...

A História Mais Longa do Mundo (adaptação)

História Marcelino Pedregulho (adaptação)

Divirtam-se... CRIANÇAS.

Projeto UCA

CAMINHO JOVEM... ESPERANÇA!!!!

Música com o corpo "Barbatuques"

"TEMPO...TEMPO...TEMPO... VOU TE FAZER UM PEDIDO"

O Ponto de Mutação de Fritjof Capra

A TEIA DA VIDA...

Educação Ecológica... Entevista com Capra.

Humberto Maturana e Ximena - Encontro... Reflexão... 1 de 8 vídeos

REPORTAGEM: Brincadeiras

Professora Vania Cavalari Psicomotricidade. ...

entre no site e assista a entrevista http://www.sabertv.net/portal/mediacenter/view/276/psicomotricidade/

POESIA DE AMOR...

texto "O direito de ser criança" de Ruth Rocha e som "Dias Melhores" de Jota Quest.

EDUCAR...

Limites...

<a href="http://video.msn.com/?mkt=pt-BR&amp;from=sp&amp;vid=0f517149-43f6-4d81-b88c-e520ef3b4d42" target="_new" title="Como lidar com o filhos dos outros">Video: Como lidar com o filhos dos outros</a>

Brincar é aprender...

Aprendendo sempre... PSICOMOTRICIDADE

http://www.animacorpus.net/psicomotricidade/

APRENDER E EDUCAR.

EDUCAR E BRINCAR... CRESCER...

Aprender...Educação Infantil.

Educar e aprender...

Infância- Tempo de construir valores...

Educar... filho faz por imitação...

Educar e aprender... Transformação...

Video = Ciência estuda o que e passa no cérebro dos bebês

Educar... Aprender...

EDUCAR E BRINCAR. APRENDER COM A NEUROCIÊNCIAS...

PROJETO RESGATE DA PSICOMOTRICIDADE ATRAVÉS DOS RECURSOS NATURAIS.

A EMOÇÃO ESTAR NO AR....

MEU AMIGO BICHO!!!!!