quarta-feira, 24 de junho de 2009

Eu e você podemos fazer...

Diante de tantas indiferenças, do caos que se instalou no mundo... Não podemos
esquecer do eu, dos muitos que procuram o elo... UM AMOR PLURAL, HUMANO.
Pesquisando, como poderia cuidar de mim mesma, achei que bastaria... Mas... Eu e você podemos fazer renascer a esperança.

“Não é possível,
seguir fingindo não ver.
Esperando que a mudança venha de alguém.
Somos todos partes
da grande família humana,
na verdade queremos apenas amar...”

Desenvolvimento Humano e Coaching

Todas as estrelas têm espaço no céu, mesmo as mais tímidas

08 Dec 2008


Eles eram pretos e brancos. Com vozes vibrantes ou suaves, estridentes ou aveludadas, agudas e graves. Eles estavam juntos por uma causa e cantaram, e cantaram:

“Chegou o momento
de atendermos ao chamado,
Para o mundo estar unido como se fosse UM”


Assim começava a incrível canção composta nos anos 1980 por Michael Jackson e Lionel Richie. Singela e forte, emblema de uma campanha de ajuda ao continente Africano - USA for Africa (United Support of Artists for Africa), que mobilizou a nata da música pop estadunidense em 1985. A idéia do projeto foi do notório Harry Belafonte, músico, ator e ativista político, o primeiro afro-descendente a emplacar um prêmio Emmy, o “Oscar” da TV norte-americana.

Hoje após 23 anos dessa belíssima iniciativa o vídeo começa circular novamente, agora na Internet, em função dos 50 anos de Jackson comemorados no último dia 29 de agosto. O mágico Quincy Jones foi o maestro, arranjador capaz de reunir vozes de estilos e timbres tão diferentes numa comovente demonstração de que cada pessoa, cada talento, pode ter seu lugar num céu cheio de estrelas. No vídeo, além de Richie e Jackson, temos ainda, Stevie Wonder, Paul Simon, Kenny Rogers, Tina Turner, Billy Joel, Diana Ross, Dionne Warwick, Willie Nelson, Al Jarreau, Bob Dylan, Ray Charles e outros menos conhecidos, mas que no conjunto dão uma demonstração de que:

“Nós somos o UM,
Mundo-crianças
Somos aqueles que podem fazer
renascer a esperança.
A escolha é nossa,
salvar ou deixar a perder
Verdade, podemos fazer melhor
Eu e você...”


Foram vendidas 7,5 milhões de cópias do “compacto” We are the world, que reuniu ao todo 45 estrelas e arrecadou aproximadamente 50 milhões de dólares. Cada um daqueles artistas tinha um papel importante, pois cada um deles conclamava sua legião de fãs a unirem-se numa grande rede global de ajuda humanitária.

Nem todos tiveram, é claro, a possibilidade de fazer um solo. Jones certamente escolheu as vozes, algumas bem conhecidas e outras nem tanto, que compuseram o mosaico do colorido mundo ali representado pela união de raças, credos e timbres. Todos se dispuseram a cantar no coro, numa demonstração de entusiasmo de “ser o mundo”. A banda também foi especial, entre eles o percursionista brasileiro Paulinho da Costa muito disputado e respeitado nos EUA tendo gravado com várias das estrelas ali presentes.

Pois é, “Nós somos o mundo” me faz lembrar que pela cooperação, pela atualização, sem medo, de nossos melhores talentos e potenciais podemos criar condições para nossa realização pessoal e profissional contribuindo ao mesmo tempo para um mundo melhor, pois todas as flores têm espaço no jardim, não há limite. A limitação está em nossas crenças, ou melhor, em nossa falta de crença em nós mesmos e no outro, e na capacidade humana para recuperação.

A situação na África talvez não tenha mudado muito com aquela ajuda. Estimativas indicam que, na melhor das hipóteses, a recuperação do continente africano tão espoliado, pela escravidão, exploração de recursos minerais e pelas guerras só será possível pelas mãos dos próprios africanos no ano 2200! Mas

“Não é possível,
seguir fingindo não ver.
Esperando que a mudança venha de alguém.
Somos todos partes
da grande família humana,
na verdade queremos apenas amar...”


Que tal relembrar esse momento mágico da World Music assistindo ao clipe “We are the world”.


terça-feira, 23 de junho de 2009

Notícias...

JORNAL O POVO online

Recursos

Educação influencia repasse do ICMS

Os municípios melhor avaliados na alfabetização de alunos garantiram maior repasse do ICMS


23 Jun 2009 - 01h13min

Governador e secretária de Educação entregaram cheques a representantes de 148 escolas do Estado (Foto: Georgia Santiago)
A situação financeira dos municípios que não conseguiram cumprir o dever de casa, de alfabetizar os alunos a níveis considerados aceitáveis pelo Governo do Estado, pode piorar. Ontem, o governador Cid Gomes informou que o desempenho dos alunos no processo feito pelo Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece-Alfa) será uma das bases para o repasse do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços ( ) aos municípios. “Além dessa (avaliação), vamos levar em consideração o desempenho escolar no 5º e no 9º ano”, avisou Cid.

Além da educação, a forma elaborada pelo Governo para a distribuição do imposto também passa pelo desempenho na redução da mortalidade infantil e ações no meio ambiente. O critério anteriormente adotado tinha como meta somente o contingente populacional, beneficiando municípios como Fortaleza e Maracanaú, que não ficaram entre os 20 melhores avaliados pelo Spaece-Alfa. “Houve municípios que ganharam e perderam. Vai ser este o critério a partir deste ano”, destaca Cid.

A lista da avaliação de alunos alfabetizados mostrou que o porte do município nem sempre é a melhor referência quando o critério é alfabetização. Mucambo, Cruz, Reriutaba e Tarrafas ficaram com as melhores posições. “Não é o fato de o município ser grande ou pequeno que vá ser decisivo de suas escolas ensinarem bem seus alunos”, completa.

Ajuda
Ontem, o governador e a secretária de Educação, Izolda Cela, anunciaram a criação de um prêmio para as 150 escolas que atingiram nota acima de 8,5 na avaliação de alfabetizações. Ontem, 148 escolas, das mais de 6 mil analisadas, atingiram o índice. Serão destinados R$ 30 milhões para o pagamento às escolas sendo que, por aluno alfabetizado, será pago R$ 2.500. O pagamento se dará em duas parcelas. A maior parte, 75% do total, foi entregue ontem à tarde, durante a cerimônia de entrega do Prêmio Nota 10, no Centro de Convenções. Já os 25% restantes estão vinculados à continuação da escola entre as melhores.

O socorro das escolas melhor destacadas se dará através de apoio pedagógico. Para as piores, o governo destinará R$ 1.250 por aluno matriculado no 2º ano. Mas metade do recebimento do recurso está vinculada ao compromisso da instituição em melhorar seu desempenho na avaliação do ano seguinte. “Vamos fazer com que as melhores puxem as mais fracas para cima”, garante o governador. (Marcos Cavalcante)
2 votos

Dê sua nota clicando nas estrelas

“Letramento”

Textos e Artigos

O que é Letramento Digital?

Clique na imagem para assistir ao trecho sobre Letramento Digital da vídeo-aula "EducaRede Internet na Escola"

A palavra “letramento” vem se incorporando ao vocabulário da área da Pedagogia para conceituar um processo que vai além da decodificação do sistema alfabético da escrita e incorpora a compreensão dos usos sociais da escrita. Letramento digital, portanto, significa não apenas saber como utilizar as tecnologias digitais, mas entrar em contato com ele de maneira significativa, entendendo seus usos e possibilidades em nossa vida social.

A palavra “letramento”, embora não seja nova, tem aparecido com freqüência nas falas pedagógicas. Será um simples “modismo”?

O Dicionário Houaiss nos apresenta as seguintes definições de letramento: “1)ant. representação da linguagem falada por meio de sinais; escrita 2) PED m.q. ALFABETIZAÇÃO (processo) 3) (déc.1980) PED conjunto de práticas que denotam a capacidade de uso de diferentes tipos de material escrito”.


Observem que a terceira definição vem acrescentar um novo ponto de vista às anteriores: se as primeiras se referem à representação gráfica dos sinais da escrita, a última inclui a idéia de competência de uso da escrita.

Como vemos, letramento não vem substituir alfabetização. Por outro lado, a capacidade de decodificar as letras e suas combinações não garante que o indivíduo seja capaz de utilizar a leitura e a escrita nas suas situações sociais.

Ilustração: Didiu Branco

Vamos ver mais de perto a definição de Magda Soares:“(letramento é) o estado ou condição de quem exerce as práticas sociais de leitura e de escrita, de quem participa de eventos em que a escrita é parte integrante da interação entre pessoas”. Para atingir esse estado ou condição é necessário dominar o código escrito e, ao fazer uso dele, ser capaz de participar das situações sociais que exigem o uso da leitura e da escrita, a partir de suas necessidades pessoais ou da sociedade em que vive. Isto significa um amplo leque de situações do cotidiano das pessoas, que podem ser: escrever uma lista de compras; orientar-se na cidade com ajuda de um mapa; entender a posologia na bula do remédio; escrever um poema; ler o horóscopo ou o resumo da novela; buscar informações sobre a situação econômica; ler artigos científicos ou mandar uma carta para um amigo.

O conceito de letramento, ao ser incorporado à tecnologia digital, significa que, para além do domínio de “como” se utiliza essa tecnologia, é necessário se apropriar do “para quê” utilizar essa tecnologia.

Trocando em miúdos: fazer um curso sobre um software de edição de texto, de imagem, ou planilha eletrônica nos ensina a dominar os códigos dessa linguagem, ou seja, a nos “alfabetizar” nela. Mas apenas se incorporarmos essas habilidades ao nosso cotidiano é que passarão realmente a fazer sentido e já fazemos uso delas quando utilizamos o cartão do banco, por exemplo.

No espaço escolar, contribuir para o letramento digital significa apresentar oportunidades para que toda a comunidade possa utilizar as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação como instrumentos de leitura e escrita que estejam relacionadas às práticas educativas e com as práticas e contextos sociais desses grupos.

Nesse sentido, o Programa EducaRede, focando a utilização da Internet como espaço de aprendizagem significativa, desenvolve suas ações embasado no conceito de letramento digital, focando três grandes eixos complementares, ou grandes aprendizagens, que são: pesquisar na Internet, publicar na Internet e comunicar-se digitalmente. No Portal EducaRede, por exemplo, os conteúdos, ferramentas, propostas e ambientes tornam possível que os participantes exercitem características fundamentais no processo educativo: a curiosidade da Pesquisa, a autoria da Publicação e a troca da Comunicação.

Mais

>> Internet e aprendizagem
>>
Letramento Digital: Pesquisa
>> Letramento Digital: Comunicação
>> Oficina de formação

Referência bibliográfica

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. _____Novas práticas de leitura e e escrita: letramento na cibercultura. Educação & Sociedade ISSN 0101-7330 versão impressa Educ. Soc. v.23 n.81 Campinas dez. 2002

Fonte: Internet na Escola - Caderno do Capacitador

14/10/2008

Ratos fazem a alegria da biblioteca da escola

Como é mágico e estimulante a criação de uma prática, quando nasce a idéia não se sabe aonde vai chegar... mas com determinação e persistência, torna-se possível e realizável. E o crédito de que é possível se fazer nascer do sonho a alegria e o prazer de realizar para muitos que alimentam esse sonho...
Foi o que pude constatar nesse maravilhoso projeto de leitura...
Atraves do PORTAL DO PROFESSOR podemos conhecer experiências de outros professores, aulas de sucesso.




Ratos fazem a alegria dos alunos da Escola Classe 18, em Taguatinga DF.
Ratos fazem a alegria dos alunos da Escola Classe 18, em Taguatinga DF.

Desde que dois ratos passaram a morar na biblioteca da Escola Classe 18, em Taguatinga, no Distrito Federal, o dia-a-dia de alunos e professores nunca mais foi o mesmo. Há dez anos, Racumim e sua mãe Racutia fazem a alegria dos estudantes do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, ao mesmo tempo em que colaboram para estimular o interesse pela leitura.

Os dois são personagens criados pelas professoras Maria Célia Madureira Silva e Raquel Gonçalves Ferreira, em 1999, dentro do projeto Reinventando a Biblioteca. Juntas, as duas pedagogas com experiência em alfabetização criaram dez histórias, sempre baseadas nas necessidades da escola. Caracterizadas, elas encenam as aventuras dos ratinhos em um antigo banheiro que foi transformado em sala de leitura, proporcionando momentos de encantamento aos estudantes.

Logo que criaram os personagens, as professoras fizeram 30 apresentações em uma semana, para todas as turmas da escola que têm na leitura um dos eixos de seu programa pedagógico. Como o retorno foi muito positivo, o que era para ser apenas temporário, virou permanente. “Foi muito mágico. Contagiou toda a escola”, relembra Raquel. Atualmente, elas ainda encontram tempo para realizar apresentações em outras escolas e em feiras de livros. E ministram, no momento, um curso para 70 professores do Distrito Federal, promovido pela Secretaria de Educação.

As aventuras dos ratinhos deram origem a três livros. Dois já foram lançados: O Rato Adormecido e Deu Rato na Biblioteca. O terceiro – Os Amores de Racutia – será lançado na Feira do Livro deste ano, em Brasília. Elas pretendem lançar toda a coleção de histórias, para que o trabalho realizado fique registrado e possa ser utilizado por outras pessoas, mesmo depois que elas não estejam mais trabalhando. Afinal, faltam apenas dois meses para a aposentadoria de Maria Célia e Raquel já tem 25 anos de magistério.

Além do Reinventando a Biblioteca, elas têm muitos outros projetos. O Concurso de Literatura, por exemplo, dá prêmios em dinheiro às melhores obras criadas pelos estudantes. Já o Recreio Artístico foi concebido para que os alunos pudessem ter espaço para mostrar suas habilidades, como dança, teatro, poesia, e lutas marciais.

A biblioteca tem um cronograma para o atendimento das turmas. Às quintas-feiras é realizado o chamado Dia Livre, quando os alunos têm o direito de ir à biblioteca sozinhos e escolherem o livro que bem entenderem. “Nesse dia, 80% dos estudantes vêm à biblioteca, diz Raquel.”

Outra criação das duas professoras é a carteirinha de sócio da biblioteca, para que os alunos possam levar livros para casa. Eles podem pegar obras tanto para eles quanto para seus pais ou irmãos – funcionam como captadores de leitores. Como a biblioteca recebe doações de livros, tanto dos alunos quanto da comunidade, seu acervo triplicou e chega, atualmente, a mais de 30 mil volumes.

Para saber mais, assista ao vídeo.

(Fátima Schenini)


http://portaldoprofessor.mec.gov.br/conteudoJornal.html?idConteudo=562


Leia mais



domingo, 21 de junho de 2009

CINEMA NA EDUCAÇÃO

Através de um bom filme, podemos promover aulas mais significativas, criar diálogos, compreender anseios, melhorar nossas relações e ajudar a resolver nossos conflitos dentro das esferas do cotidiano. Os filmes também são ferramentas valiosas na aprendizagem interdisciplinar... todos nós sairemos ganhando na arte de aprender.
Eu gosto muito de visitar o site, porque nos permite pesquisar e conhecer a diversidade da cinematografia.
Visitando o site do planeta educação você encontra muitas opções, vídeos educacionais, dicas de filmes e trailer


" O papel do cinema é gerar uma memória de nós mesmos"
(Refletindo sobre cinema com Walter Salles Jr.)




Leia na íntegra, a entrevista com
João Luís de Almeida Machado Editor do Portal Planeta Educação; Doutor em Educação pela PUC-SP; Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP); Professor Universitário e Pesquisador; Autor do livro "Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema" (Editora Intersubjetiva).

Cinema na escola, recurso realmente válido para a educação?
Entrevista do professor João Luís à revista Profissão Mestre


Foto-do-educador-João-Luís


No último mês de junho a Revista Profissão Mestre realizou entrevista com o professor João Luís de Almeida Machado, editor e articulista do Planeta Educação, especialista em Tecnologias de Informação e Comunicação em Educação e no uso do Cinema na Escola, autor do livro “Na Sala de Aula com a Sétima Arte” sobre o trabalho com filmes em sala de aula. Essa reportagem foi publicada pela revista no mês de julho de 2008 e, a seguir reproduzimos o seu conteúdo.

....

Profissão Mestre - É preciso haver uma "alfabetização audiovisual" dos alunos para melhor aproveitamento? Como é possível alfabetizar os alunos nesse sentido?

João Luís – O ideal é que esse trabalho com filmes, como aquele que ocorre com os livros, seja iniciado ainda na educação infantil ou nos primeiros anos do ensino fundamental. Educar o olhar, a capacidade de interpretar, de ler aquilo que está sendo trabalhado através dos filmes... Tudo isso fica mais fácil quanto mais cedo se inicia essa ação, essa prática. É algo que deve, inclusive, ser trabalhado em parceria com a família, de preferência. Diga-se de passagem, que não deve se restringir ao contato com a sétima arte, mas também com exposições, visita a museus, shows musicais, números de dança, literatura,...

....

Profissão Mestre - Que resultados positivos a utilização do cinema na educação pode trazer?

João Luís - Dá para enumerar vários benefícios, entre os quais destacaria os seguintes:

  • Reforça a capacidade de argumentação;
  • Melhora o vocabulário;
  • Desenvolve a imaginação;
  • Dá uma visão mais ampla de mundo ao estudante;
  • Aproxima os conteúdos escolares do estudante por ser um recurso lúdico;
  • Facilita a compreensão de temáticas que por vezes podem ser bastante complexas e difíceis de trabalhar em sala de aula;
  • Abre espaço para debates e comparações com o que foi dito em aula ou estudado a partir de outras fontes;
  • Mobiliza não apenas a razão e o intelecto, mas também as emoções, o que é, sem dúvida, bastante importante para que esses alunos se envolvam e tenham mais disposição para aprender.

FAZENDO COM AMOR!!!!!!

FAZENDO COM AMOR!!!!!!

EDUCAR E BRINCAR...

PROJETO RESGATE DA PSICOMOTRICIDADE ATRAVÉS DOS RECURSOS NATURAIS.

TRAILERS - SLIDES - •Documentários, Entrevistas

EDUCAÇÃO - AMBIENTE - DESENVOLVIMENTO - POLÍTICA - ATITUDE - CULTURA 

NOSSOS MESTRES NA LITERATURA INFANTOJUVENIL

A voz do autor no rádio...

Falar e ouvir... uma questão pessoal...

Um pouco de sua história...

Conversando com autores...

Tatiana Belinky, a escritora que queria ser Emília...

Histórias que nos acompanham...

PAI DA TURMA DA MÔNICA...

Uma contadora especial...

Histórias para ouvir e contar... O clássico mundial A Árvore Generosa.

A ARTE DE CONTAR HITÓRIAS...

A História Mais Longa do Mundo (adaptação)

História Marcelino Pedregulho (adaptação)

Divirtam-se... CRIANÇAS.

Projeto UCA

CAMINHO JOVEM... ESPERANÇA!!!!

Música com o corpo "Barbatuques"

"TEMPO...TEMPO...TEMPO... VOU TE FAZER UM PEDIDO"

O Ponto de Mutação de Fritjof Capra

A TEIA DA VIDA...

Educação Ecológica... Entevista com Capra.

Humberto Maturana e Ximena - Encontro... Reflexão... 1 de 8 vídeos

REPORTAGEM: Brincadeiras

Professora Vania Cavalari Psicomotricidade. ...

entre no site e assista a entrevista http://www.sabertv.net/portal/mediacenter/view/276/psicomotricidade/

POESIA DE AMOR...

texto "O direito de ser criança" de Ruth Rocha e som "Dias Melhores" de Jota Quest.

EDUCAR...

Limites...

<a href="http://video.msn.com/?mkt=pt-BR&amp;from=sp&amp;vid=0f517149-43f6-4d81-b88c-e520ef3b4d42" target="_new" title="Como lidar com o filhos dos outros">Video: Como lidar com o filhos dos outros</a>

Brincar é aprender...

Aprendendo sempre... PSICOMOTRICIDADE

http://www.animacorpus.net/psicomotricidade/

APRENDER E EDUCAR.

EDUCAR E BRINCAR... CRESCER...

Aprender...Educação Infantil.

Educar e aprender...

Infância- Tempo de construir valores...

Educar... filho faz por imitação...

Educar e aprender... Transformação...

Video = Ciência estuda o que e passa no cérebro dos bebês

Educar... Aprender...

EDUCAR E BRINCAR. APRENDER COM A NEUROCIÊNCIAS...

PROJETO RESGATE DA PSICOMOTRICIDADE ATRAVÉS DOS RECURSOS NATURAIS.

A EMOÇÃO ESTAR NO AR....

MEU AMIGO BICHO!!!!!